quarta-feira, 6 de março de 2013

Ao seu Tempo


Escutarás teu nome entre gritos e gemidos, de uma forma antes não escutada, e gelarão vossos ossos. Materiais? Mortais? Sentirás o amor alheio, feito sangue vivo, se esvaindo face à morte. Escreverão com sangue a vossa sentença, julgando lhe indiferente frente à vida, condenado estarás e todos os anjos de Deus descerão do céu vestidos de demônios, se ajoelharás e não acharás perdão dentro de si, terás vergonha no orar e no pedir. Terás vergonha do sexo bendito, mas não conseguirás esconder sua mentira, a qual, disfarçada, estará por traz da couraça do tempo. Mas serás a forma viva de todo o erro que se inicia com o mais simples dos pronomes. Sentirás o desespero ao olhar no olho do leão, que avança, e fugirás em vossa fuga inútil. Sentirás a morte, antes mesmo que ela toque vossa carne, e que, com vossos dentes afiados lhe cobrem o empréstimo. Morrerás antes mesmo da própria morte, como a ilha sagrada velada entre as brumas, desespero dos infiéis navegantes. Entrarás em Deus, morte eterna, e não saberás mais quem é Deus, verás tua lógica, vossos silogismos e vossas contradições se perderem. E duvidarás de tudo e não mais vai querer estar ali, sentirás sim! A agonia e não estarás triste, mas serás a própria tristeza, e não estarás desesperado, como tantas vezes em vossas medíocres vidas acreditou estar, mas encarnarás o próprio desespero. Demônios malditos ou anjos de Deus? Pegarás e não irás ter, olharás e não verás, beijarás e não sentirás nada, teu sexo serás seco e lógico. Abraçarás vossos entes queridos e nunca chegarás a tocar-lhes vossos corações. E buscarás abraços mais apertados e peitos mais acolhedores para descansar vossa cabeça pesada, mas no fim de toda noite sentirás frio, Nuit! Saberás que a única certeza do dia é à noite e da juventude é à velhice. E que vosso sexo se enfraquece com o tempo e que vossa cabeça adquire o peso da pedra, e que por isso não necessitarás de grades e nem de algemas para estar preso. E quando, por fim, o leão vier calmo e sereno degustar de vossos ossos,lhe faltará às forças e irás por fim devolver tudo que lhe emprestaram, e não serás mais nada. Nem dor, nem angustia, nem tristeza e nem alegria, perdera a si mesmo em um oceano profundo.Então não morrerás, mas serás a própria morte, a fuga ultima de todos os fracos e ricos de espirito.


Autor: Filipe Zander

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...